Phone: E-mail: contato@myriamdurante.com.br
Português - Brasil Inglês Espanhol
Press

31 August 2015

Que tal começar a usar o hemisfério direito do seu cérebro?

Em 30 de agosto de 2015, a revista Pense Mais publicou a materia "Que tal começar a usar o hemisfério direito do seu cérebro?" com texto da Psicoterapeuta Holistica e hipnóloga Myriam Durante.

O problema é que a maioria não sabe como atingir a área cerebral onde estão localizadas a maior parte dessas aptidões.

A grande dificuldade para que as pessoas pensem criativamente é a seguinte: desde pequenos escutamos em casa e na escola que devemos fazer tudo certinho, que devemos ser objetivos, práticos e eficazes, e que a ousadia é um perigo que pode custar muito caro. Cientificamente isto quer dizer que somos educados valorizando o hemisfério esquerdo e, com isso, o lado direito vai se atrofiando pela falta de uso.

A maioria das pessoas pensa somente com o lado esquerdo do cérebro, são poucas as que usam também o lado direito. Assim, quando se deparam com um problema de difícil solução, ficam paralisadas, não conseguem enxergar uma alternativa.

A cada dia que passa temos mais pressa, mais trabalho e mais urgência em resolver os problemas, sejam eles de ordem pessoal, financeira ou profissional. Quase não  temos mais tempo para sonhar, escrever, criar, pintar… enfim aproveitar o dom que Deus nos deu. Devemos aprender a usar o lado direito do cérebro, pois é justamente nesse lado que se concentram todas as nossas potencialidades criativas.

É preciso explorar esse mundo de talento que você tem na cabeça. Desenvolvendo o seu raciocínio lógico, certamente você se tornará uma pessoa muito inteligente. Mas você só será alguém talentoso e criativa quando desenvolver toda sua capacidade de imaginar e de ousar. Todos os grandes gênios que você conhece ou já ouviu falar – como Chapplin, Van Gogh, Pasteur, Einstein e Thomas Edison – exploraram o lado direito do cérebro a procura do original, do incomum, do diferente.

E esse diferente você consegue com ousadia e determinação. Albert Einstein é considerado um cientista brilhante, extremamente inteligente, um orgulho para a raça humana. Porém, nem sempre foi considerado assim. Na escola, quando criança, Einstein foi um verdadeiro fracasso. Sentia grande dificuldade em matérias como história e geografia e um dos seus professores chegou a prever que ele não tinha muito futuro: “Ele não vai chegar a lugar algum” – afirmou o professor.

Thomas Edison, um dos maiores gênios que a humanidade conheceu, foi expulso da escola primária porque seu professor concluiu que ele tinha “cérebro oco” e era “incapaz de aprender”. Imaginem o impacto de uma afirmação como essas na mente de um garotinho que realmente tinha sérias dificuldades para aprender. Só que felizmente, para ele e para o mundo, Edison resolveu esquecer a opinião do professor e viver sua própria vida.

 

Os casos de Einstein e Edison, não foram os únicos na história. Ghandi também foi um aluno medíocre. Sofreu muito com a tabuada e costumava voltar para casa correndo para que seus colegas não pudessem zombar da sua “burrice”: tinha um raciocínio muito lento e uma memória péssima. Apesar de tudo, esses três homens foram muito longe Eles superaram todas as expectativas, contrariando todas as previsões e acabaram se tornando celebridades universais. Tomas Edison aos 8 anos foi chamado de burro e seguiu em frente. Aos 80 anos começou a estudar Botânica e, após analisar milhares de plantas, descobriu um método de extrair borracha em quantidade muito maior.

Críticas fazem parte da vida, mas não deixe que elas te impeçam de seguir em frente. Você ainda pode realizar muitas coisas, basta querer e correr atrás. Não importa quem você é hoje, o que você deixou de fazer, as derrotas que sofreu e nem tão pouco a sua idade. O que realmente importa é você acreditar no seu sonho. Saiba que Einstein, Pasteur, Gandhi e Edison tinham um cérebro igual ao seu: com nenhuma diferença e nenhum neurônio a mais. Eles, simplesmente, correram atrás dos seus sonhos.

Confira a materia na integra: http://revistapensemais.com.br/?p=1709